mazerunner

NOTA: 8 / Caio César

Apenas um ano após o lançamento da aventura original Maze Runner: Correr ou Morrer (Wes Ball, 2014), a sequência Prova de Fogo ganha as telonas de todo o Brasil neste mês de setembro. Seguindo o padrão das sequências de Hollywood, tudo deve parecer maior, mais intenso e mais emocionante. E, neste quesito, o filme, novamente dirigido por Wes Ball, não decepciona.

Continuando a história de resistência do jovem Thomas e de seus amigos Teresa, Minho e outros que dividem espaço com novatos na franquia, o filme aumenta o cenário onde a ação dos protagonistas ocorre. Antes presos, agora eles vagam por uma Terra devastada pelo calor do sol, que transformou as cidades em desertos, e por um vírus misterioso que transforma as pessoas em walkers zumbis  Cranks, uma espécie de mortos vivos.

Como também acontece em outro filme que trata de uma sociedade em um futuro distópico (Jogos Vorazes), vemos na tela assuntos pesados, mortes de adolescentes e uma atmosfera de urgência que faz com que a produção se destaque pela ousadia de não subestimar a capacidade de entendimento de seu espectador. Contudo, essa “atmosfera” é criada em cima de convenções cinematográficas que acabam por atrapalhar o resultado final, como a escuridão que domina a fotografia do filme – erro potencializado pela péssima conversão em 3D para os cinemas.

Se Dylan O’Brien está apenas correto no papel do protagonista Thomas, um sujeito que é um poço de integridade e tão altruísta que chega a ser inverossímil, é Kaya Scodelario quem mais se esforça para dar uma dimensão maior para sua personagem Teresa. Parte importante da trama, a moça demonstra segurança nas cenas dramáticas e a leveza necessária nos momentos em que o seu romance com Thomas é insinuado – você leu direito: IN-SI-NU-A-DO, quebrando a tradição do triângulo amoroso água com açúcar.

Embora não possa falar muito, por causa dos spoilers, as cenas finais são muito bem conduzidas, sem dar tempo para o espectador sequer respirar. O filme evolui para um terceiro ato dramaticamente surpreendente que prepara o caminho para o terceiro filme da franquia, que será lançado em 2017. Sensivelmente melhor que a primeira parte da história, esse Prova de Fogo, com seus problemas, é o prenúncio de uma ótima conclusão de trilogia para a saga, cujo capítulo final se chama Cura Mortal.

Assista aqui o Trailer de Maze Runner: Prova de Fogo!

Anúncios