Chegamos ao nosso maravilhoso sábado e, dessa vez, eu acertei o timing e trago para vocês a PARTE DOIS da DICA GOLD de cinco filmes para ver no Netflix (descontando a parte dos cinco filmes que vocês provavelmente não viram que está aqui) e que estrearam na segunda parte desse mês de outubro show de bola. Sem mais falatório, aí vai:

Ring – O Chamado

ringu-1

Apesar do Caio já ter feito um post muito maneiro sobre o Halloween (aqui), esse filme aqui vai de bônus nesse dia das bruxas para galera que curte filmes de terror. Essa é a versão original do famoso filme O Chamado, dirigido por Gore Verbinski e que assustou todo mundo com a Samara. Aqui é a mesma coisa da versão americana: uma garota misteriosa e demoníaca mata as pessoas que assistem a sua fita de vídeo após sete dias; a não ser que os espectadores encontrem a forma de escapar. A diferença entre o filme americano e o filme japonês é que o filme japonês é feito por japoneses (sério, não diga!) e japoneses são LOUCOS PRA CARAMBA. É isso, filme clássico do terror mundial.

Perigo por Encomenda

pre

Esse é um filme que parece ruim, mas que, na verdade, é no mínimo bem divertido de se assistir (e, no fim das contas, eu acho que é realmente um bom filme). A trama é simples: um entregador de encomendas em Manhattan tem que entregar um pacote que torna-se objeto de atenção de um policial corrupto e assim começa a perseguição do policial (o ótimo Michael Shannon, que consegue brilhar até naquele final tosco de O Homem de Aço) ao entregador (Joseph Gordon-Levitt, em uma interpretação bastante divertida). O lance é que Levitt faz suas entregas por bicicleta e todo o tom do filme é baseado na ação da perseguição implacável do policial – que dispõe de todos os meios para perseguir alguém – ao rapaz com a bicicleta. Se você está procurando por profundidade ou um grande enredo, esse não é o filme. Mas, se você está procurando por um bom filme de ação e aventura em plena Nova Iorque, com momentos de ótimo suspense e adrenalina, Perigo por Encomenda é a escolha certa.

Amantes Passageiros

ap

Esse filme já está na Netflix há um tempo, mas foi renovado agora, então vale estar aqui. Sem dúvidas, esse é (DE LONGE E COM TODA A CERTEZA) o pior filme de Pedro Almodóvar. Sério, não tem a menor condição, esse filme realmente não é muito bom não (ainda mais comparado ao filme anterior do espanhol, o magnífico e excelente A Pele que Habito). Porém, contudo, entretanto, todavia, eu ri muito e muito e muito quando eu vi esse Amantes Passageiros. É quase uma comédia besteirol (se você olhar atentamente, é também uma sátira inteligente sobre as vidas modernas e sobre a condição da sociedade espanhola como um todo, atualmente) sobre alguns passageiros de um avião que começam a enlouquecer dentro da aeronave, gerando situações muito engraçadas e muito divertidas. Mesmo em um filme não tão bom, Almodóvar consegue brilhar: consegue dirigir seus atores de forma extremamente cômica e divertida. Certas sequências são incrivelmente engraçadas e desenhadas de forma inteligente (há uma cena dentro da cabine dos pilotos onde Javier Camara, um ótimo ator, rouba a sequência completamente do fundo da cena). Novamente, se você busca um filme com profundidade, esse não é o filme certo; vá ver qualquer um dos outros trocentos filmes do Almodóvar (sério, vá ver, são brilhantes, o cara é um gênio). Mas, caso contrário, se você busca rir bastante e quase que aleatoriamente, pode dar play em Amantes Passageiros sem medo.

Kick-Ass 2

ka2

Outro caso de filme que não é lá essas coisas se comparado ao filme anterior. Novamente, vou defender esse filme que as pessoas não gostam tanto. A diferença é que em Kick-Ass 2 não temos Matthew Vaughn (Kingsman e Stardust) na direção, não temos Nicolas Cage em um dos melhores papeis de sua vida e não temos Mark Strong como vilão (pra mim, um dos melhores atores para fazer vilões ou caras que vão te sacanear só porque eles podem na atualidade). No entanto, mesmo que a parte 2 não consiga chegar no mesmo nível badass da parte 1, Kick-Ass 2 é, ainda assim, um filme bastante divertido. Na sequência, acompanhamos Kick-Ass e Hit-Girl precisando enfrentar uma legião de vilões, formada para derrota-los. Para se manterem vivos, terão a ajuda da própria liga de super-heróis. O que mais você pode querer de super-heróis contra super-vilões (lembrando que em Kick Ass ninguém é super alguma coisa, de fato) além de diversão, ação, porrada, uma menina adolescente matando a torto e a direito e uma boa dose humor negro fornecida principalmente pelo sempre hilário Christopher McLovin Minz-Plasse e pelo ótimo Jim Carrey em um de seus melhores papeis dos últimos anos?

Back in Time

Back-in-Time-documentary

Para fechar esse belo mês de outubro ainda comemorando a chegada de Marty McFly (que você pode ler mais sobre na nossa matéria especial aqui), a Netflix disponibilizou no dia 21 o documentário Back in Time, um apanhado sobre a importância cultural exercido pela trilogia De Volta para o Futuro, além do impacto do filme à época, nos contando como o filme foi feito, entrevistando quase todo o elenco (incluindo Michael J Fox, Christopher Lloyd, o diretor Robert Zemeckis, o produtor Steven Spielberg e o produtor e escritor Bob Gale) e uma legião de fãs, intercalando cenas dos filmes com momentos dos cultos quase religiosos realizados hoje em dia em homenagem à essa incrível trilogia de filmes, bem como nos apresentando vários DeLoreans reformados pelos fãs mais true desse mundo como verdadeiras máquinas do tempo, provando que De Volta para o Futuro é um dos maiores clássicos de todos os tempos e, provavelmente, um dos filmes que melhor representa o espírito do cinema americano. É isso que acontece ao unir um roteiro perfeito, um diretor extremamente bom, atores muito competentes e perfeitos nos papeis para os quais foram escolhidos: um filme visionário e imortal, que continua sendo importante 30 anos depois – e que continuará sendo 60, 90, 120, 150 (e por aí vai) anos depois.

É isso gente, até a próxima!

Renato Furtado

Anúncios