hero_WhatWeDidOnOurHoliday-2015-1

Renato Furtado

A coluna Descubra é, principalmente, sobre o lado D do cinema; o lance é que o lado D nem sempre precisa ser o lado esdrúxulo do cinema e da tevê – apesar de ser quase sempre assim, é verdade. Com a combinação de #DESCUBRA com a #DICAGOLD, trazemos um lado do cinema que é aquele lado da garimpagem da Netflix. Por isso, o filme de hoje é a dramédia (só usei esse termo para falar mais uma vez quanto eu odeio o termo) “O Que Nós Fizemos no Nosso Feriado” – sério candidato a título mais longo do catálogo de streaming.

Narrando a história de uma família (os pais, Doug e Abi, são interpretados por David Tennant, ou Kilgrave, e Rosamund Pike, também conhecida como “Garota Exemplar” e as três crianças são interpretadas por crianças que eu não tenho a menor ideia de quem são, mas que são muito divertidas e competentes) que viaja até os confins da Escócia para encontrar e celebrar o aniversário do avô Gordie (interpretado com bom humor pelo sempre divertido Billy Connolly). O problema, no entanto, é que Gordie está com câncer e que os pais das crianças estão prestes a se divorciar – continuam juntos só para manter as aparências.

Através da direção e do roteiro de Andy Hamilton e Guy Jenkin, o cenário está posto e o drama e a comédia também. O filme é um verdadeiro exercício sobre a realidade de uma família que está prestes a entrar em colapso e, salvo alguns momentos que passam do “realismo” do resto da trama, este é um longa que sabe bem utilizar momentos pequenos e simples para tirar as emoções e reações necessárias, sejam elas lágrimas ou risadas. Não é um grande filme, fica mesmo mais próximo dos filmes que ficam um pouco acima da média; a trama frequentemente cai nas armadilhas espalhadas pelos clichês. Mas, no fim das contas e apesar de tudo, o filme conquista.

O roteiro é terno e tem carinho pelos personagens que cria, carinho principalmente pelas qualidades e, acima de tudo, pelos defeitos de cada um deles, o filme acaba aquecendo corações. Esse é o clássico filme “de boas” (que ainda consegue encontrar ressonância dramática e tratar com seriedade e delicadeza um assunto sério como a doença de Gordie, que afeta e já afetou muitas famílias ao redor do mundo). Diverte, dá aquela emocionada de leve e é real. Para o seu fim de semana relaxando com a Netflix sozinho ou sozinha, com seu namorado ou com sua namorada, com sua família, com seu cachorro ou qualquer outro ser vivo (ou inanimado, vai saber) que você quiser, fica a dica.

 

 

Anúncios